Vala Comum de Perus: lugar de memória e resistência

Autores/as

  • Soraia Ansara y Beatriz Besen Universidad de Sao Paulo

Palabras clave:

lugar de memória, resistência, políticas de memória, memória política, ditadura militar, Vala Comum.

Resumen

O presente artigo tem como objetivo analisar os processos de memória construídos a partir da abertura da Vala Comum de Perus, apresentando-a como lugar de memória que possibilita a reconstrução da mesma, respeito da ditadura militar brasileira a partir de ações culturais, educativas e artísticas, assim como celebrações e ritualizações desenvolvidas por coletivos, organizações e movimentos sociais. Abordamos as políticas de memória e esquecimento no Brasil, as disputas entre a memória oficial hegemônica e as memórias subterrâneas e marginais e, por fim, analisamos a Vala Comum de Perus como um lugar-símbolo de memória que mobiliza novas expressões artísticas e políticas que aproximam diversas gerações na luta contra a violência de Estado.

Citas

Ansara, Soraia. Memória Política, Repressão e Ditadura no Brasil. Curitiba: Juruá, 2008.

Ansara, Soraia. “Políticas de la memoria X políticas del olvido: posibilidades de desconstrucción de la matriz colonial.” Revista Psicología Política 12.24 (2012): 297-311.

Ansara, Soraia, and Bruna Suruagy do Amaral Dantas. “Aspectos ideológicos presentes na construção da memória coletiva.” Athenea digital: revista de pensamiento e investigación social 15.1 (2015): 207-223.

Arboleda-Ariza, Juan Carlos and Bravo, Gabriel Prosser. Políticas de la memoria en Colombia, entre un pasado instituido e instituyente. In. Hernandes, Aline R.C.; Dantas, Bruna S. A.; Ansara, Soraia; Hur, Domenico. (Orgs.). Psicologia Política e Memória. Curitiba/PR: Appris, 2020.

Blair, Elsa. Memoria Y Poder: (des)estatalizar Las Memorias Y (des)centrar El Poder Del Estado. Universitas Humanística, 72.72, 2011: 63-87.

Cardoso, Irene de Arruda Ribeiro. Para uma crítica do presente. Editora 34, 2001.

Connerton, Paul. Como as sociedades recordam. Oeiras: Celta, 1993.

Crivalente, Mariana Ramos; Kobashi, Nair Yumiko. “Sítios de memória e direitos humanos da América Latina: arquivos, bibliotecas, museus e centros de documentação.” Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação, XIX, ENACIB, 2018.

Groppo, Bruno. “Las políticas de la memoria.” Sociohistórica 11-12 (2002): 187-198.

IEVE - Instituto de Estudo da Violência de Estado/ GTNM - Grupo Tortura Nunca Mais – RJ/SP. Dossiê dos Mortos e Desaparecidos políticos a partir de 1964. CEPE - Companhia Editora de Pernambuco, Governo do Estado de Pernambuco, Recife, 1995.

Jelin, Elizabeth. Los trabajos de la memoria. Vol. 1. Madrid: Siglo XXI, 2002.

Jelin, Elizabeth & Langland, Victoria. Monumentos, memoriales y marcas territoriales. Madrid: Siglo XXI, 2003.

Guglielmucci, Ana; López, Loreto. “Restituir lo político: los lugares de la memoria en Argentina, Chile y Colombia”. Kamchatka. Revista de análisis cultural 13. (2019): 31-57.

Messina, Luciana. “Lugares y políticas de la memoria”. Kamchatka. Revista de análisis cultural 13. (2019): 59-77.

Meneguetti, Francis Kanashiro Meneghetti. Origem e Fundamentos dos Esquadrões da Morte no Brasil. 2011. XXXV Encontro da ANPAD. Rio de Janeiro. 4 a 7 de setembro de 2011.

Nora, Pierre. “Entre história e memória: a problemática dos lugares”. Revista Projeto História. São Paulo, v. 10, (1993): 7-28.

Núcleo Memória. Trabalho fundamental para a democracia In. Instituto Macuco. Vala Clandestina de Perus: Desaparecidos Políticos, um capítulo não encerrado da História Brasileira. V.1. São Paulo: Ed. do Autor, 2012. pp.10-13.

Paoli, Maria Célia. “Trabalhadores e cidadania: experiência do mundo público na história do Brasil moderno.” Estudos Avançados 3.7 (1989): 40-66.

Perrone, Claudia. “Políticas de Memória e do esquecimento: as ruínas do sentido. [Politics of memory and oblivion] In: Rauter, C.” Clínica e Política: Subjetividade e Violação dos Direitos Humanos. Equipe Clínico-grupal. Grupo Tortura Nunca Mais–RJ. Rio de Janeiro: Instituto Franco Basaglia/Editora Te Cora (2002): 101-110.

Piper-Shafir, Isabel. “Obstinaciones de la memoria: la dictadura militar chilena en las tramas del recuerdo”. Tesis Doctoral en Psicología Social. Universidad Autónoma de Barcelona, 2005.

Pollak, Michael. “Memória, esquecimento, silêncio.” Revista estudos históricos 2.3 (1989): 3-15.

Seixas, Ivan Akselrud & Souza Silvana Aparecida. “Comissão Nacional da Verdade e a rede de comissões estaduais, municipais e setoriais: a trajetória do Brasil”. Revista Estudos de Sociologia. 20. 39 (2015): p.347-364.

Teles, Janaina Almeida. “A constituição das memórias sobre a repressão da ditadura: o projeto Brasil Nunca Mais e a abertura da vala de Perus.” Anos 90 19.35 (2012): 261-298.

Vannini, Margarita. “Espacios públicos: Managua, resignificaciones, reescrituras, borraduras.”. Maestría en Estudios Culturales, Universidad Centro Americana, 2017.

Descargas

Publicado

2021-10-07